LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA: REVISÃO DE LITERATURA

Cláudia Marina Hachmann de Sousa Silva, Cesar Augustus Winck

Resumo


A leishmaniose visceral é uma doença severa e de elevado índice de morbidade que acomete seres humanos e outros mamíferos, inclusive o cão. Sua forma zoonótica é causada pelo protozoário Leishmania chagasi (=infantum) e transmitida por mosquito flebotomíneo. A doença está presente em várias regiões do globo, com maior incidência em países europeus, do Mediterrâneo, do Oriente Médio e Américas Central e do Sul. No Brasil, apesar das medidas de controle adotadas, a doença é reemergente, e, em muitos casos, é causada pela expansão territorial decorrente das migrações humanas, para regiões com infraestrutura insuficiente de saneamento básico e moradia. Os sinais clínicos nos cães acometidos são inespecíficos, pois podem envolver vários sistemas fisiológicos do organismo. Portanto, o diagnóstico deve ser feito através de testes parasitológicos e sorológicos, e, somente assim, o cão poderá ser considerado positivo para a doença. Atualmente, os testes sorológicos utilizados para triagem e diagnóstico confirmatório são, respectivamente, ELISA e RIFI. Conforme recomendação do Ministério da Saúde, os cães portadores da leishmaniose visceral não devem ser tratados e, sim, feita eutanásia dos soropositivos. Porém, existem fármacos utilizados no tratamento de humanos positivos para a doença que também podem ser empregados no tratamento de cães, tornando-se uma alternativa para possíveis ações de tratamento da doença em animais com diagnóstico confirmado. Apesar da recomendação do Ministério da Saúde de realizar eutanásia dos cães positivos para doença, várias pesquisam não demonstraram relação da eutanásia de cães infectados com a contenção da transmissão da leishmaniose visceral. Dessa forma, é necessário investir em novos estudos para definir medidas de controle com maior eficiência, como inquéritos soro-epidemiológicos e tecnologias para o desenvolvimento de vacinas, meios de diagnóstico e tratamento da doença.

Palavras-chave


Leishmaniose visceral; Leishmaniose visceral canina; Leishmania chagasi; Lutzomyia longipalpis; Cães.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v16i1.3383

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexado em:

Resultado de imagem para periodicos capes Latindex Harvester Ibict Pkp

Sumarios DOAJ LivRe Dialnet

EBSCO Funadesp

Resultado de imagem para crossref

ISSN: 1517-0276

EISSN: 2236-5362