MÚSICA POPULAR BRASILEIRA E GÊNERO: como se cantam as mulheres?
DOI: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v15i1.4020

Victória Kellen de ANDRADE, Cilene Margarete PEREIRA

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar os resultados finais da pesquisa de iniciação científica “Música popular brasileira e gênero: como se cantam as mulheres?”. A pesquisa propôs analisar a representação da figura feminina presente nas letras de sambas das décadas de 1920 a 1950, analisando o olhar que os compositores da época tinham sobre as mulheres. Num primeiro momento da pesquisa, foi feito um levantamento de compositores e canções das décadas citadas a fim de estabelecer um corpus de pesquisa para, em seguida, examinar os tipos femininos aí descritos, considerando inicialmente a tipologia proposta pelos sociológicos Manoel Berlinck e Rubem Oliven nos artigos “Sossega leão! Algumas considerações sobre o samba como forma de cultura popular” (1976) e “A mulher faz e desfaz o homem” (1987), respectivamente, nos quais eles apresentam três tipos femininos: “doméstica”, “piranha” e “onírica”. Para a análise da representação feminina nos sambas foram selecionados dois sambas por década: “Ora vejam só” (1927), de Sinhô; “A Malandragem” (1927), de  Bide e Francisco Alves; “Divina Dama” (1933), de Cartola;  “X do problema”, de Noel Rosa (1936); “Deus no Céu, Ela na Terra” (1940), de Wilson Batista e Marino Pinto; “Faz Um Homem Enlouquecer” (1941), de Ataulfo Alves e Wilson Batista;  “Escurinha” (1951), de Geraldo Pereira e Arnaldo Passos; “Risque” (1952), de Ary Barroso.

Palavras-chave


samba; figura feminina; representação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v15i1.4020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexado em:

 Resultado de imagem para periodicos capes   Latindex    Harvester    Ibict      Pkp

 

 

Sumarios   DOAJ   LivRe   Dialnet

 

EBSCO   Funadesp 

 

Resultado de imagem para crossref

ISSN: 1517-0276

EISSN: 2236-5362