SÍNDROME DE BURNOUT E ENGAJAMENTO NO TRABALHO: CASO DO SETOR DE MANUTENÇÃO DE UMA INDÚSTRIA METALURGICA GAÚCHA

Douglas Malheiros Winterfeld, Adriane Fabricio, Liane Beatriz Rotili, Vanessa Hasper Dessbesell, Luis Felipe Dias Lopes

Resumo


O objetivo deste artigo é identificar as relações entre a síndrome de burnout e engajamento no trabalho. O estudo diz respeito a uma survey realizada com uma amostra de 75 funcionários do setor de manutenção de uma indústria metalúrgica da região noroeste do Rio Grande do Sul. Como principais resultados evidencia-se que os funcionários pesquisados, possuem alto engajamento no trabalho e baixa síndrome de burnout, sendo que o constructo despersonalização (0,83) é o que mais contribui para a síndrome de burnout, enquanto para o engajamento no trabalho, é o constructo dedicação (0,78). Já os constructos que apresentaram maior relação (negativa/inversa) foram envolvimento pessoal no trabalho/síndrome de burnout e vigor/engajamento (-0,70). As evidências contribuam para as decisões organizacionais que implicam na saúde dos funcionários do setor industrial e nos objetivos organizacionais.


Palavras-chave


Prazer e Sofrimento no Trabalho; Satisfação no Trabalho; Psicologia Positiva.



DOI: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v1i18.5073

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexado em:

Resultado de imagem para periodicos capes Latindex Harvester Ibict Pkp

 

 

Sumarios DOAJ LivRe Dialnet

 

EBSCO Funadesp

 

Resultado de imagem para crossref

 

 

ISSN: 1517-0276

EISSN: 2236-5362