PUBLICIDADE QUE CONSOME A INFÂNCIA: O DESPERDÍCIO DE VALORES DURADOUROS POR PRAZERES INSTANTÂNEOS

Zildo Gallo, Solange Aparecida da Silva Luiz, Flávia Sossae, Janaína Cintrão, Daniela Tincani

Resumo


RESUMO

 O objetivo deste trabalho foi investigar o consumo infantil como decorrência da publicidade televisiva bem como suas implicações sociais e culturais que acarretam no desenvolvimento do consumidor infantil compulsivo. Optou-se por trabalhar com a pesquisa qualitativa, por meio de estudo exploratório, questionário semiestruturado e entrevista em profundidade. O processo de coleta de dados realizou-se com a distribuição de questionário às mães ou responsáveis com filhos de cinco a seis anos, de ambos os sexos, em duas escolas (uma pública e outra privada) em Araraquara/SP. Em seguida, foram entrevistadas as crianças. E na terceira etapa buscou-se a opinião de um profissional da área da educação. Os resultados demonstraram que a mídia televisiva e a publicidade, além de ditarem as regras de quais itens devem ser consumidos tem contribuído para criar a infância do consumo, reconfigurando comportamentos, modo de vida e de subjetividade na sociedade contemporânea.


Palavras-chave


Consumismo. Criança. Publicidade. Televisão. Marketing.



DOI: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v1i18.5914

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexado em:

Resultado de imagem para periodicos capes Latindex Harvester Ibict Pkp

 

 

Sumarios DOAJ LivRe Dialnet

 

EBSCO Funadesp

 

Resultado de imagem para crossref

 

 

ISSN: 1517-0276

EISSN: 2236-5362