CARACTERIZAÇÃO DO LODO GERADO NUMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA

Diego Vipa AMÂNCIO, Fernando Neris RODRIGUES, Kátia Daniela RIBEIRO, Gilberto COELHO

Resumo


Durante o processo de potabilização da água são gerados resíduos (lodo) que, na maioria das estações de tratamento, não são tratados e são devolvidos diretamente ao manancial, impactando-o negativamente. O presente trabalho apresenta os resultados de parâmetros físico-químico-biológicos obtidos para o lodo gerado na estação de tratamento de água do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Formiga – MG, a fim de quantificar seu potencial poluidor. Os resultados obtidos foram confrontados com os padrões estabelecidos na Resolução n° 430/2011 do Conselho Nacional de Meio Ambiente para lançamento de efluentes em corpos receptores. O lodo da estação de tratamento de água de Formiga – MG, em ambos os períodos analisados, não atendeu à legislação, sendo indevido seu descarte direto em corpos d’água. Entretanto, as concentrações de cádmio, cálcio, chumbo, cobre, cromo, fósforo, magnésio, matéria orgânica, mercúrio, níquel, sódio e zinco no lodo não sofreram alterações dentro do intervalo de tempo analisado nesse estudo.


Palavras-chave


Resíduos Metais pesados. Resolução CONAMA 430.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5892/st.v1i1.4220

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                       

                        

ISSN 2526-690X