SISTEMA DE ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO DO ALOJAMENTO IAREM EM LAVRAS - MG

Paola Gonçalves Ribeiro, Ivonaldo Pereira, Caio César Andrade dos Santos, Camila Silva Franco, Rosângela Francisca de Paula Vitor Marques

Resumo


O Instituto de Acolhimento e Recuperação Eterna Misericórdia (IAREM), em Lavras-MG, é uma associação civil, sem fins lucrativos, que presta acolhimento a cerca de 60 homens em situação social precária. Objetivou-se avaliar a situação do abastecimento de água do IAREM e propor melhorias visando garantir o fornecimento de água potável, de forma a diminuir o risco de escassez e doenças de veiculação hídrica. Um sistema de captação e aproveitamento de água de chuva foi dimensionado para o IAREM, sendo o reservatório de acumulação de água de chuva dimensionado pelo método de Rippl e método da simulação. Os componentes do sistema de captação e aproveitamento de água de chuva foram estimados em: 385 m² para área de cobertura, 626,78 L min ⁻¹ para vazão de projeto, 125 mm para diâmetro mínimo de calha, 75 mm para diâmetro comercial mínimo para os condutores verticais, 8 condutores verticais, 9,06 m para espaçamento entre condutos verticais, 2 reservatórios de autolimpeza com volume de 192, 49 L para cada reservatório, ¾” para tubulação de saída do reservatório de autolimpeza, 8 filtros autolimpantes e 2 reservatórios de acumulação de água de chuva. O dimensionamento do reservatório de acumulação de água de chuva pelo método de Rippl leva a uma economicidade de 59,5%  conduzindo a um volume de 85,22 m³ inviável técnico e economicamente. Pelo método da simulação proporciona uma confiabilidade de 33% para o sistema de captação e aproveitamento de água de chuva e confiabilidade volumétrica de 28,43%, fixando-se o volume do reservatório em 30 m³.

Palavras-chave


Sistema de captação, Autolimpeza, Sistemas decentralizados

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION / AMERICAN WATER WORKS ASSOCIATION / WATER ENVIRONMENT FEDERATION. Standard methods for the examination of water and wastewater. 21th ed. Washington, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10844: Instalações prediais de águas pluviais. Rio de Janeiro, 1989. 13p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15527: Água de chuva – Aproveitamento de cobertura em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos. Rio de Janeiro, 2007. 12p

BOTELHO, M. H. C.; RIBEIRO JR, G. de. Instalações Hidráulicas prediais feitas para durar – usando tubos de PVC. São Paulo: Pro, 1998, 230 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura e da Reforma Agrária. Departamento Nacional de Meteorologia. Normais climatológicas: 1961-1990. Brasília, DF, 1992. 84p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Centro Nacional de Epidemiologia. Guia de vigilância epidemiológica. 5 ed. Brasília, 2005. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2016.

CAPP et. al. Qualidade da água e fatores de contaminação de poços rasos na área urbana de Anastácio (MS). Geografia Ensino & Pesquisa. v. 16, n. 3. p. 77-92, set/dez. 2012.

DACACH, N. G. Saneamento básico. 3ª ed. revisada. Rio de Janeiro: EDC-Ed. Didática e Científica, 1990.

DANTAS, A. A. A.; CARVALHO, L. G de; FERREIRA, E. Classificação e tendências climáticas em Lavras, MG. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 31, n. 6, p. 1862-1866, 2007.

DORNELLES, F. Aproveitamento de água de chuva no meio urbano e seu efeito na drenagem pluvial. 2012. 239 f. Tese (Doutorado em Engenharia) – Instituto de Pesquisas Hidráulicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE – FUNASA. Panorama do Saneamento Rural no Brasil. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2016

GRUPO DE PESQUISAS EM RECURSOS HÍDRICOS – GPRH. Plúvio 2.1 Copyright (2006). Disponível em:. Acesso em: 15 jan. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2017.

MARINOSKI, D. L.; GHISI, E.; GÓMEZ, L. A. Aproveitamento de água pluvial e dimensionamento de reservatório para fins não potáveis: estudo de caso em um conjunto residencial localizado em Florianópolis-SC. In: CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL, 1.; ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 10., 2004, São Paulo, SP. Anais... São Paulo: ANTAC, 2004.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SÁUDE. Global Heath Risk: Mortality and Burden of Disease Attributable to Selected Major Risks. Geneva, Switzerland, 2009.

SOTO, F. R. M. et al. Monitoramento da qualidade de água de poços rasos de escolas públicas da zona rural do município de Ibiúna/SP: parâmetros microbiológicos, físico-químicos e fatores de risco ambiental. Revista Instituto Adolfo Lutz, v.65, n.2, p.106-111, 2006.

TIGRE S/A – Tubos e Conexões. Disponível em :. Acesso em: 18 jan. 2017.

TOMAZ, P. Aproveitamento de água de chuva para áreas urbanas e fins não potáveis. 2ª ed. São Paulo: Navegar Editora. 2005. 184p.

URBANO, E. Aproveitamento de água de chuva de baixo custo para residências urbanas. 2014. Disponível em :< http://www.sempresustentavel.com.br/>. Acesso em: 20 jan. 2017.

WEIERBACHER.L. Estudo De Captação E Aproveitamento De Água Da Chuva Na Indústria Moveleira Bento Móveis de Alvorada – RS, Canoas, Novembro de 2008, disponível em < http://www.pliniotomaz.com.br/downloads/07leonardo.pdf> acesso em 6 de setembro de 2015




DOI: http://dx.doi.org/10.5892/st.v2i1.4941

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                           

                        

ISSN 2526-690X