HIETOGRAMAS OBTIDOS A PARTIR DE RELAÇÕES IDF PARA AS MESORREGIÕES SUL/SUDOESTE E CAMPO DAS VERTENTES, MG

Estephane Cristina de Faria, Italoema Pinheiro Bello, Luiz Fernando Coutinho de Oliveira, Camila Silva Franco

Resumo


Os hietogramas são representações da distribuição temporal da precipitação pluvial, importantes na entrada dos modelos chuva-vazão empregados no dimensionamento de obras hidráulicas. O conhecimento do padrão da chuva é essencial para que estruturas hidráulicas sejam dimensionadas de forma a se evitar acidentes relacionados às inundações nas áreas urbanas. Neste contexto, objetivou-se com este trabalho gerar os hietogramas pelo método dos blocos alternados, empregando as relações IDF (intensidade-duração-frequência) ajustadas para algumas localidades de Minas Gerais. As relações IDF foram adquiridas utilizando-se a técnica da desagregação das precipitações máximas anuais de um dia, obtidas no banco de dados de chuvas do sistema Hidroweb. Posteriormente, foi feita a análise frequencial das chuvas intensas, empregando para tal a distribuição de Gumbel, com a finalidade de se obter as probabilidades dos eventos extremos associados a diferentes períodos de retorno. Por fim, empregando o método dos blocos alternados, foram gerados os hietogramas de projeto para os padrões adiantado, centralizado e atrasado. Para todas as estações pluviométricas empregadas neste estudo, obteve-se um ajuste satisfatório da relação IDF, demonstrando confiabilidade da sua utilização na geração dos hietogramas de projeto. Os hietogramas gerados apresentaram padrões semelhantes, com bom desvio padrão (0,37 mm) com uma da amplitude entre a maior e a menor lâmina precipitada máxima (1,11 mm), demonstrando que a região avaliada pode ser considerada hidrologicamente homogênea. Para a estação de Alfenas, observou-se a maior lâmina precipitada (5,79 mm) enquanto que, para a estação de Pouso Alegre foi a que apresentou a menor lâmina precipitada (4,68 mm).

Palavras-chave


Chuvas intensas. Drenagem urbana. Desagregação de chuva. Relação intensidade-duração-frequência

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, F.G.; ANGELINI SOBRINHA, L.; BRANDÃO, J.L.B. Análise da distribuição temporal das chuvas em eventos hidrológicos extremos. Engenharia Sanitária e Ambiental, v.22, n.2, p.239-250, 2017.

ABREU, F.G.; ANGELINI SOBRINHA, L.; BRANDÃO, J.L.B. Análise da distribuição temporal das chuvas em eventos hidrológicos extremos. Engenharia Sanitária e Ambiental, v.22, n.2, p.239-250, 2016.

ALAMY FILHO, J.E.; SALLA, M.R.; REIS, A.; SILVA JHUNIOR, H.C. Influência da progressiva ocupação urbana na ocorrência de áreas inundáveis. Ciência & Engenharia, v.26, n.2, p.21–31, 2017.

ALVES, G.M.R.; FERREIRA, M.F.M. Uso do solo em áreas de preservação permanente (APP) na bacia do Córrego do Pântano, município de Alfenas-MG - MG. Revista de Geografia, v.6, n.4, p.329-337, 2016.

ARAÚJO, L.E.; SOUSA, F.A.S.; RIBEIRO, M.A.F.M.; SANTOS, A.S.; MEDEIROS, P.C. Análise estatística de chuvas intensas na bacia hidrográfica do rio Paraíba. Revista Brasileira de Meteorologia, v.23, n.2, p.162-169, 2008.

BACK, A.J.; HENN, A.; OLIVEIRA, J.L.R. Heavy rainfall equations for Santa Catarina, Brazil.Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.35, p.2127-2134, 2011.

BACK, G.; GONÇALVES, F.N. Avaliação da erosividade de chuvas para o vale do Rio Itajaí, SC. Revista Tecnologia e Ambiente, v.23, p.29-42, 2017.

BASSO, R.E.; ALLASIA, D.G.; TASSI, R.; PICKBRENNER, K. Revisão das isozonas de chuvas intensas do Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental, v.21, n.4, p.635-641, 2016.

BEMFICA, D.C.; GOLDENFUN, J.A.; SILVEIRA, A.L.L. Análise da aplicabilidade de padrões de chuva de projeto a Porto Alegre. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v.5, n.4, p.5-16, 2000.

BORGES, G.M.R.; THEBALDI, M.S. Estimativa da precipitação máxima diária anual e equação de chuvas intensas para o município de Formiga, MG, Brasil. Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science, v.11, n.4, p.892-902, 2016.

CORRÊA, R.S.; SILVA, R.V.B. Ocupação urbana e degradação ambiental: ocupação, simbolismo e cidadania ambiental no bairro do Paraíso, Mosqueiro – PA. Revista Perspectivas do Desenvolvimento: um enfoque multidimensional, v.3, n.4, p.1-25, 2015.

DAEE-CETESB. Departamento de Água e Energia Elétrica - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental 1980. Drenagem urbana: manual de projeto. São Paulo: DAEE-CETESB. 466p.

DAMÉ, R.C.F.; TEIXEIRA-GANDRA, C.F.A.; VILLELA, F.A.; SANTOS, J.P.; WINKLER, A.S. Relação intensidade-duração-frequência da precipitação pluvial diária desagregada no sul do Rio Grande do Sul. Revista Engenharia Agrícola, v.34, n.4, p.660-670, 2014.

DAMÉ, R.C.F.; TEIXEIRA-GANDRA, C.F.A.; TERRA, V.S.S.; ROSSKOFF, J.L.C. Hidrograma de projeto em função da metodologia utilizada na obtenção da precipitação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.14, n.1, p.46–54, 2010.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Índices Pluviométricos em Minas Gerais. Sete Lagoas, MG, 2010. 90p.

FRANCO, C.S; MARQUES, R.F.P.V.; OLIVEIRA, A.S.; OLIVEIRA, L.F.C. Distribuição de probabilidades para precipitação máxima diária na Bacia Hidrográfica do Rio Verde, Minas Gerais. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.18, n.7, p.735–741, 2014

GUASSELLI, L.A.; OLIVEIRA, G.G.; QUEVEDO, R.P.; BRUBACHER, J.P. Modelagem hidrológica e espacialização de áreas suscetíveis às inundações no município de Igrejinha, RS. Geo UERJ, n.28, p.353-380, 2016.

LUCAS, T.P.B.; PLEC, D.; ABREU, M.L.; PARIZZI, M.G. Identificação de interpoladores adequados a dados de chuva a partir de parâmetros estatísticos. Revista Brasileira de Climatologia, v.13, n.9, p.7-21, 2013.

MACHADO, D.O.; ALVES SOBRINHO, T.; RIBEIRO, A.S.; IDE, C.N.; OLIVEIRA, P.T.S. Erosividade da chuva para o bioma Pantanal. Engenharia Sanitária e Ambiental, v.19 n.2, p.195-202, 2014.

SILVEIRA, G.M. Análise de sensibilidade de hidrogramas de projeto aos parâmetros de sua definição indireta. 2010, 243f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade de São Paulo, 2010.

MARTINOTTO, T.T.; BERTOLDI, L.; SANTOS, A.T.; LEZONIER, L.S. Análise hidrológica da região de São Miguel do Oeste para obtenção de uma equação de chuvas intensas (IDF). Unoesc & Ciência, v.7, n.2, p. 145-154, 2016.

MARTINS, D.; KRUK, N.S.; MAGNI, N.L.G.; QUEIROZ, PIB. Comparação de duas metodologias de obtenção da equação de chuvas intensas para a cidade de Caraguatatuba (SP). Revista DAE, n.207, p.34-49, 2017.

MELLO, C.R.; VIOLA, M.R. Mapeamento de chuvas intensas no estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.37, p.37-44, 2013.

PASSOS, M.L.V.; RAPOSO, A.B.; MENDES, T.J. Análise de eventos pluviométricos extremos no município de Chapadinha-MA. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, v.11, n.3, p.1476-1483, 2017.

PEREIRA, D.C.; DUARTE, L.R.; SARMENTO, A.P. Determinação da curva de intensidade, duração e frequência do município de Ipameri – Goiás. Revista Eletrônica de Engenharia Civil, v. 13, n.2, p.233-246, 2017.

RANGEL, E.M.; HARTWIG, M.P. Analise das curvas de intensidade-duração-frequência para a cidade de Pelotas através de uma função de desagregação. Revista Thema, v.14, n.1, p.63-77, 2017.

REZENDE, G.B.M.; ALAMY FILHO, J.E. Estimativa de áreas de inundação: modelo hidrológico e hidráulico para uma sub-bacia de Rio Verde – GO. ENGEVISTA, v.19, n.4, p.839-861, 2017.

SANTOS, G.G.; GRIEBELER, N.P.; OLIVEIRA, L.F.C. Chuvas intensas relacionadas à erosão hídrica. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.14, n.2, p.115–123, 2010.

SANTOS, W.O.; MESQUITA, F.O.; BATISTA, B.D.O.; BATISTA, R.O.; ALVES, A.S. Precipitações máximas para o município de Mossoró de 1964 a 2011 pela distribuição de Gumbel. Irriga, v.19, n.2, p.207-213, 2014.

SILVA, C. B.; OLIVEIRA, L.F.C. Relação intensidade-duração-frequência de chuvas extremas na região Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, v.20, n.13, p.267-283, 2017.

SOUZA, R.O.R.M.; SCARAMUSSA, P.H.M.; AMARAL, M.A.C.M.; NETO, J.A.P.; PANTOJA, A.V.; SADECK, L.W.R. Equações de chuvas intensas para o estado do Pará. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.16, p.999-1005, 2012.

SOUZA, R.M.; CRISPIM, D.C.; FORMIGA, K.T.M. Estudo comparativo entre os modelos SWMM e HEC‐HMS para simulação de escoamento superficial – caso de estudo bacia

do Córrego Samambaia. Revista Eletrônica de Engenharia Civil, v.5, n.2, p.1-11, 2012.

WANDERLEY, L.S.A.; NÓBREGA, R.S.; MOREIRA, A.B.; ANJOS, R.S.; ALMEIDA, C.A.P. As chuvas na cidade do Recife: uma climatologia de extremos. Revista Brasileira de Climatologia, v.22, n.14. p.149-164,2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5892/st.v2i2.5002

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                           

                        

ISSN 2526-690X