RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPACTOS GERADOS PELA CONSTRUÇÃO CIVIL

Jaime da Costa Nogueira, Maria Geralda de Miranda, Kátia Eliane Santos Avelar, Patricia Maria Dusek

Resumo


Com o crescimento da sociedade moderna houve uma expansão do mercado da construção civil. Tal crescimento tem ocasionado um impacto direto na geração de resíduos sólidos. No Brasil, há legislações e regulamentações para o tratamento dos resíduos em geral, porém, na prática, a falta de fiscalização facilita o não cumprimento das regulamentações. Dentre essas legislações podem ser citadas, a Lei nº 12.305 de 02 de agosto de 2010 do Ministério do Meio Ambiente, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, em conformidade com a Resolução CONAMA 307, de 05 de julho de 2002, que estabeleceu os procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. É importante salientar que esses resíduos causam forte impacto ao meio ambiente e, consequentemente, ao ser humano. Entretanto, tais resíduos são altamente versáteis e podem ser destinados a usos como matéria prima, por meio do reaproveitamento em outros componentes da própria obra, como também para a criação de novos produtos, que podem ser comercializados em outros setores além da construção civil. Portanto, esse estudo procura mostrar o problema dos resíduos sólidos gerados na construção civil e o impacto desses resíduos para o ambiente e para a sociedade.


Palavras-chave


Reciclagem. Reaproveitamento. Meio Ambiente. Desenvolvimento Sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Resolução CONAMA nº 307, de 5 de julho de 2002. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/processos/18018FE8/PropResol_EMENDAS_2oGT.pdf. Acesso em: 22 jun. 2018.

BRASIL. Presidência da República do Brasil. Lei nº 12.305/2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências. Brasília: 2010a.

BRASIL. Presidência da República do Brasil. Decreto Nº 7.404/2010. Regulamenta a Lei no 12.305, de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, cria o Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Comitê Orientador para a Implantação dos Sistemas de Logística Reversa, e dá outras providências. Brasília: 2010b.

EPA. Environmental Protection Association. United States. Cleaner Technologies Substitutes Assessment: Lithographic Blanket Washes, 1997. Disponível em: https://www.epa.gov/sites/production/files/2014-01/documents/lithography_ctsa_blanket_washes.pdf . Acesso em: 17 mar. 2018.

FERNANDEZ, J. L. B.; MARCHI, C.; FLORES, F. Resíduos sólidos da indústria da construção civil: contribuições, ameaças e possibilidades para um crescimento igualitário nas cidades. In: 18º Semana de Mobilização Científica: Direitos Humanos, Ética e Dignidade, 2015. Salvador.

GARCIA, M. B. S.; NETO, J. L.; MENDES, J. G.; XERFAN, F. M. F.; VASCONCELLOS, C. A. B.; FRIEDE, R. R. Resíduos Sólidos: Responsabilidade Compartilhada. Semioses, v. 9, n. 2, p. 77-91, 2015. Disponível em: apl.unisuam.edu.br/revistas/index.php/Semioses/article/view/1045. Acesso em: 18 jun. 2018.

GONÇALVES, P. A Cultura Do Supérfluo: Lixo e Desperdício na Sociedade de Consumo. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

MACHADO, P. A. L. Direito ambiental brasileiro. 18. ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, 2010.

MILARÉ, E. Direito do ambiente: a gestão ambiental em foco: doutrina jurisprudência, glossário. 7. ed. rev., atual. e reform. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011, p. 855.

PINHEIRO, P. T.; FRANCISCHETTO, G. P. P. A Política Nacional de Resíduos Sólidos como Mecanismo de Fortalecimento de Catadores de Materiais Recicláveis. Derecho y Cambio Social, v. 45, n. 13, 2016.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento Sustentável/Organização: Paula Yone Stroh – Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SANTANA, A. J. A. Estudo de adequação das Organizações Militares (OM) com as normas ambientais vigentes: gerenciamento de resíduos sólidos. Trabalho de Conclusão de Curso. Escola de comando e Estado-Maior do Exército. Rio de Janeiro/RJ. 2012.

SANTOS, M. H. S. MARCHESIN, M. M. P. Logística Reversa para a Destinação Ambientalmente Sustentável dos Resíduos de Construção e Demolição (RCD). RMS – Revista Metropolitana de Sustentabilidade, v. 8, n. 2, 2018.

THODE FILHO, S.; MACHADO, C. J. S.; VILANI, R. M.; PAIVA, J. L.; MARQUES, M. R. C. A Logística Reversa e a Política Nacional de Resíduos Sólidos: desafios para a realidade brasileira. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 19, n. 3, p. 529-538, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5892/st.v2i2.5099

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                           

                        

ISSN 2526-690X