JOGOS DE ESPELHOS: A INVENÇÃO PÚBLICA DA MEMÓRIA FEMININA EM MEMÓRIAS DE MARTA, DE JÚLIA LOPES DE ALMEIDA

Alex dos Santos Guimarães (UNEB)

Resumo


Pretende-se abordar os distintos usos da memória no romance Memórias de Marta, da escritora carioca Júlia Lopes de Almeida (1862-1934), a fim de precisar suas rupturas com o discurso dominante e misógino do final do século XIX. Examina-se, de início, a noção de “memória feminina” e seus propósitos, tomando por base as elucidações indiciadas pela própria autora em seu romance, publicado originalmente em folhetins na Tribuna Liberal do Rio de Janeiro. Imediatamente, descreve-se a trama de noções metafóricas (a claustrofobia e a agorafobia) que se encontram enredadas no conceito de “gênero”, buscando demonstrar a inventividade analítica dessa autora para a literatura brasileira, problematizada a partir do paradoxo existente entre público e privado. Por fim, estabelece-se algumas ilustrações capazes de relacionar o método desenvolvido pela autora com os estudos históricos e literários.

 

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN  1807-9717


Indexado em:

                                        Capes    Latindex     Pkp     Ibict     Sumarios
     
 
                                                     DOAJ      LivRe           Dialnet
   
                               EBSCO     Funadesp      
 
 
                                        Harvester