O CATÁLOGO DE EXPOSIÇÃO COMO GÊNERO TEXTUAL

Emanuel José dos Santos (UNINCOR)

Resumo


Os gêneros do discurso, para Bakhtin (2016), são “tipos relativamente estáveis de enunciados”. Nesse artigo, buscaremos verificar como esta definição permite o desenvolvimento de estudos como o de Koch (2012), que, partindo das categorias de análise bakhtinianas, efetua a análise dos gêneros não como discursivos, mas como textuais. Verificaremos a relativa estabilidade do gênero aqui nomeado “catálogo de exposição”, que, além das características próprias de organização que correspondem à função dos catálogos em geral, possui uma função específica, a de orientar o visitante no espaço expositivo, sugerindo sentidos para a leitura do (s) objeto (s) exposto (s), a partir da autoridade da curadoria. Verificaremos tais aplicações refletindo sobre a produção desse gênero específico pelo Museu de Arte de São Paulo.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN  1807-9717


Indexado em:

                                        Capes    Latindex     Pkp     Ibict     Sumarios
     
 
                                                     DOAJ      LivRe           Dialnet
   
                               EBSCO     Funadesp      
 
 
                                        Harvester