CITTÀ DI ROMA: UMA HISTÓRIA DE FAMÍLIA COSTURADA COM OS FIOS DA MEMÓRIA

Sheila dos Santos Silva

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar uma análise da obra Città di Roma (2000), da escritora paulistana Zélia Gattai, a partir de considerações acerca da memória, observando como as lembranças da autora vão se costurando com a memória coletiva para construção de uma narrativa  acerca da história de sua família. Para tanto, apresenta-se: uma reflexão teórica acerca do conceito de memória, abordando o lugar da imaginação e da ficção na construção do discurso memorialístico; uma explanação a respeito da escrita de si e do espaço biográfico, identificando como nele se agrupam diversos tipos de narrativa e, também, como se pode pensar o livro Città di Roma, normalmente vinculado ao memorialismo, no conjunto dessas narrativas; uma breve análise de Città di Roma, identificando os modos pelos quais se mesclam, nesse livro, lembrança e esquecimento, a partir das escolhas narrativas dessa narradora, uma mulher idosa que relata fatos sobre sua infância e sua vida adulta, perpassados por lembranças de outras pessoas, como as de seus avós e pais, e por fatos históricos recuperados pela memória coletiva.
PALAVRAS-CHAVE: Memória; Zélia Gattai; Autobiografia; Literatura.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN  1807-9717


Indexado em:

                                        Capes    Latindex     Pkp     Ibict     Sumarios
     
 
                                                     DOAJ      LivRe           Dialnet
   
                               EBSCO     Funadesp      
 
 
                                        Harvester