JORGE ANDRADE E O DRAMA MODERNO BRASILEIRO: BREVES APONTAMENTOS A PARTIR DE A MORATÓRIA

Renato Cândido da Silva (UFC)

Resumo


Este artigo parte do pressuposto de que o drama moderno surge em decorrência da crise do drama burguês, a partir do momento em que ocorre a transição do indivíduo para o individualismo (Lukács, 2009), e do inter-subjetivo para o intra-subjetivo (Szondi, 2011). Levando em consideração essas premissas e, atrelando ao que Costa (1998) já vinha evidenciando, no que diz respeito à produção tardia do teatro moderno brasileiro, ou seja, que surge em decorrência da criação do Teatro Brasileiro de Comédia (TBC); pretende-se evidenciar o lugar do dramaturgo Jorge Andrade e sua ligação com o drama moderno, partindo de A Moratória (1954).  


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN  1807-9717


Indexado em:

                                        Capes    Latindex     Pkp     Ibict     Sumarios
     
 
                                                     DOAJ      LivRe           Dialnet
   
                               EBSCO     Funadesp      
 
 
                                        Harvester