MARIELLE VIVE: POLÍTICA, VIOLÊNCIA SIMBÓLICA NAS REDES SOCIAIS E RESISTÊNCIA.

Luisa da Silva Hidalgo (UFPEL)

Resumo


A vereadora Marielle Franco, do PSol (Partido Socialismo e Liberdade) do Rio de Janeiro e seu motorista Anderson Gomes foram brutalmente assassinados na noite de 14 de março de 2018, no Estácio, região central da cidade do Rio de Janeiro. O assassinato de Marielle gerou grande comoção em diversas partes do Brasil e emocionou até mesmo pessoas que nem conheciam a vereadora. Assim como surgiram muitas manifestações de tristeza e indignação em relação ao fato, muitos atos de violência simbólica também surgiram em relação à Marielle, principalmente em redes sociais como Facebook e Twitter. Refletir acerca de atos de violência simbólica em relação ao assassinato de Marielle Franco será o principal objetivo do presente trabalho. Para tanto, utilizaremos a teoria da Análise de Discurso de linha pêcheuxtiana, pensando na não-transparência da língua e em seus atravessamentos históricos e ideológicos.

Palavras-chave


Marielle Franco; Violência simbólica; Redes sociais; Política.

Texto completo:

PDF

Referências


ACHARD, Pierre. et al. Papel da memória. Trad. José Horta Nunes. – 4.ª ed. Campinas: Pontes editores, 2015.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Trad. Reci Regina Candiani. -1.ª ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

HAN, Byung Chul. Topologia da violência. Trad. Enio Paulo Giachini. – Petrópolis: Vozes, 2017.

INDURSKY, Freda. Unicidade, desdobramento, fragmentação: Trajetória da noção de sujeito em análise do discurso. In. MITTMANN, Solange; GRIGOLETTO, Evandra; CAZARIN, Ercília Ana (Org). Práticas discursivas e identitárias: sujeito e língua. Porto Alegre: Nova Prata, 2008, p. 9-33.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual?. Trad. Paulo Neves. Disponível em: Acesso em: 11 de ago. de 2019.

ORLANDI, Eni P. Análise do Discurso: princípios & procedimentos. 6.ªed. São Paulo: Pontes, 2012ª.

ORLANDI, Eni P. Maio de 68: Os silêncios da memória. In. ACHARD, Pierre. et al. Papel da memória. Trad. José Horta Nunes. – 4.ª edição. Campinas: Pontes editores, 2015, p. 53-61.

PÊCHEUX, Michel. Discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni P. Orlandi. 7.ª ed.Campinas: Pontes, 2015.

PÊCHEUX, Michel. Análise Automática do Discurso (AAD-69). In: GADET F.; HAK, T. (Orgs.). Por uma Análise Automática do Discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Eni P. Orlandi. Campinas: Unicamp, 1990.

RECUERO, R; SOARES, P. Violência simbólica e redes sociais no facebook: o caso da fanpage “Diva Depressão”. Galaxia (São Paulo, Online), n. 26, p. 239-254, dez. 2013. Disponível em < https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/14478> Acesso em: 03 de ago de 2018.

ZOPPI FONTANA, M.G.; CESTARI, Mariana Jafet . Cara de empregada doméstica?: Discursos sobre os corpos de mulheres negras no Brasil. Rua (UNICAMP), v. 20, p. 167-185, nov. 2014. Disponível em: Acesso em 01 de ago. de 2018.

ZOPPI-FONTANA, M; FERRARI, A.J. Uma análise discursiva das identificações de gênero. In: ZOPPI-FONTANA; FERRARI, A. J. (Org.) Mulheres em discurso. Gênero, Linguagem. Ideologia. 1. ª ed. Campinas: Pontes, 2017. v. 1. 276p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN  1807-9717

Editora: Profa. Dra. Cilene Margarete Pereira (UninCor) - Período: 2019-2020

Editor: Prof. Dr. Luciano M. Dias Cavalcanti (UNICAMP) - Período: 2019-2020


Indexado em:

                                        Capes    Latindex     Pkp     Ibict     Sumarios
     
 
                                                     DOAJ      LivRe           Dialnet
   
                               EBSCO     Funadesp      
                               Harvester