RETRATOS DE UMA SOCIEDADE RESIGNADA: IMAGENS DO ESPAÇO AMAZÔNICO EM SERINGAL, DE MIGUEL JERONYMO FERRANTE

Adriana de Sá Marques (UNIR), Suelen da Costa Silva (UNIR)

Resumo


 No romance Seringal (2007) de Miguel Jeronymo Ferrante há exequíveis representações dos fatores sociais no contexto do Ciclo da Borracha no início do século XX , atuantes de forma significativa a fim de engendrar a organização da obra, os quais retratam a imanência do espaço amazônico em representatividade de um povo subjugado.  A análise deste artigo busca verificar como o social converte-se no elemento estético, por meio do encadeamento entre o espaço e as personagens, e como a estrutura possibilita o entendimento dessa aplicabilidade na obra. Destarte, o estudo norteia-se pela Crítica Sociológica que considera indissociável a relação do externo com o interno na  economia do livro. A metodologia aplicada será a analítica crítica por meio da leitura de Seringal em consonância às teorias acerca da questão apresentada.  Fundamenta-se precipuamente nas concepções de Antonio Candido (1998); (2006) e George Lukács  (2009).


Palavras-chave


Literatura; Sociedade; Espaço Amazônico; Seringal

Texto completo:

PDF

Referências


BARBIERI, Claudia. Arquitetura literária: sobre a composição do espaço narrativo. In: BORGES FILHO, Oziris; BARBOSA, Sidney. (org.). Poéticas do espaço literário. São Carlos, SP: Editora Claraluz, 2009.

BOURNEUF, Roland; OUELLET, Réal. O universo do romance. Trad. José Carlos Seabra Pereira. Coimbra: Livraria Almedina, 1976.

CANDIDO. Antonio. Degradação do espaço. O discurso e a cidade. São Paulo: Duas Cidades, 1998, p. 55-94

CANDIDO, Antonio. Dialética da Malandragem. O discurso e a cidade. 3ª ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Duas Cidades, 1998, p. 19-54.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 9ª ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

FERRANTE, Miguel Jeronymo. Seringal. 3ª ed. São Paulo: Globo, 2007.

GOLDMANN, Lucien. Sociologia do romance. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

KHALIL, Marisa Martins Gama-. O lugar teórico dos espaços ficcionais nos estudos literários. Anpol, Santa Catarina, v.1, n. 28, 2010, p. 213-236, 2010. Disponível em: < https://revistadaanpoll.emnuvens.com.br/revista/article/view/166>. Acesso em: 25 de março de 2020.

LINS, Osman. Lima Barreto e o espaço romanesco. São Paulo: Ática, 1976.

LUCAS, Fábio. O caráter social da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

LUKÁCS, George. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. 2ª ed. São Paulo: Duas Cidades, 2009.

MORAES, Francisco Américo Martins. Terra Encharcada: um diálogo entre criação literária e certas histórias dos seringais da Amazônia. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, Rondônia, 2019.

MORAES, Francisco Américo Martins. Terra encharcada: um diálogo entre a literatura e a história. In: PAZ, José Flávio da; GUTIÉRREZ, Néstor Raúl Gonzáles. (org.). Retextualização: arte, literatura e linguagens. 3ª ed. Joinville: Clube de Autores Publicações S/A, 2019. p.81-95.

REIS, Carlos; LOPES, Ana Cristina M. Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

SANTOS, Luís Alberto Brandão; OLIVEIRA, Silvana Pessôa de. Espaço e Literatura. In: Sujeito, tempo e espaço ficcionais: Introdução à Teoria Literária. São Paulo: Martins Fontes, 2001, p. 67-93.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN  1807-9717

Editora: Profa. Dra. Cilene Margarete Pereira (UninCor) - Período: 2019-2020

Editor: Prof. Dr. Luciano M. Dias Cavalcanti (UNICAMP) - Período: 2019-2020


Indexado em:

                                        Capes    Latindex     Pkp     Ibict     Sumarios
     
 
                                                     DOAJ      LivRe           Dialnet
   
                               EBSCO     Funadesp      
                               Harvester