DISCURSO PORNOGRÁFICO: AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DO MOVIMENTO DE ARTE PORNÔ

Josyelle Bonfante Curti (UEL)

Resumo


Tomando a linguagem em funcionamento, como lugar de produção social e interação verbal, este artigo analisará o Manifesto de Interversão do Movimento de Arte Pornô, publicado no Rio de Janeiro, em 1982, quando o Brasil vivia a ditadura militar. Trata-se de um movimento de reação ao regime político vigente por meio da pornografia como linguagem e resistência. O trabalho utiliza, como aportes teórico e metodológico, a Análise do Discurso de linha francesa, e objetiva analisar a carga ideológica expressa e as condições de produção que atravessaram o discurso. Assim, a pornografia não foi tema, mas lugar de discurso, posicionamento, e não tratou do sexo, depravado, mas usou o corpo para tratar de questões políticas e sociais, por meio de elementos linguísticos, discursivos e fatores externos, como aqueles sócio-históricos, Ou seja, para a produção de sentidos, a relação entre sujeito-língua-história-sociedade torna-se fundamental e indissociável, uma vez que tais sentidos dependem dos atos simultâneos entre os interlocutores e os significados advêm, principalmente, de fora do texto, em uma arena em que confluem inúmeras vozes, conhecimentos, ideologias e condições de produção.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN  1807-9717


Indexado em:

                                        Capes    Latindex     Pkp     Ibict     Sumarios
     
 
                                                     DOAJ      LivRe           Dialnet
   
                               EBSCO     Funadesp      
 
 
                                        Harvester