ACONTECIMENTALIZAÇÃO EM LADRÃO E VACILÃO: QUESTÕES SOBRE PODER E DISCURSO

Raniere Marques de Melo (UFPB)

Resumo


Este artigo se insere no arcabouço das discussões teóricas sobre acontecimentalização e enunciado, ao evidenciar que os enunciados materializados em memes virtuais estão prenhes de acontecimentos discursivos; estão, nessa condição, constituídos por uma função enunciativa que lhes permite uma reatualização e um deslocamento de sentidos. Para tanto, filiamo-nos às contribuições teóricas da Análise do Discurso de linha francesa, mais especificamente, com os postulados teóricos de Michel Foucault (2009), para quem a história é descontínua, matizada de rupturas e de uma “superfície de emergência”, da qual irrompe enunciados que reatualizam a memória discursiva e convoca outros sentidos. À luz desse entendimento, procuramos analisar nos memes virtuais, a partir do escalonamento dos enunciados, as singularidades, as rupturas e as ressignificações que encontramos no nosso corpus. Para execução desta pesquisa, de cunho descritivo, com abordagem qualitativa, analisaremos discursivamente três memes, disponíveis no Facebook, referentes ao caso do adolescente, em junho de 2017, supostamente infrator, em cuja testa foi tatuado: eu sou ladrão e vacilão.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN  1807-9717


Indexado em:

                                        Capes    Latindex     Pkp     Ibict     Sumarios
     
 
                                                     DOAJ      LivRe           Dialnet
   
                               EBSCO     Funadesp      
 
 
                                        Harvester