O ESPAÇO QUE EXCLUI, QUE EXILA: UMA ANÁLISE DO CONTO “A MENINA VITÓRIA” DE ARNALDO SANTOS

Ana Carolina Menocci (UNESP)

Resumo


Theodor W. Adorno (2003) reflete que a lírica e a sociedade são mediadas pela palavra. Não só a lírica, mas a literatura em todos os seus gêneros é mediadora da sociedade pela palavra.  No conto “A Menina Vitória” de Arnaldo Santos acompanhamos Gigi, um menino que muda de escola para fugir dos piolhos, mas encontra na nova escola coisas muito piores que os pequenos insetos. O espaço torna-se para o menino um local de exclusão, humilhação e desprezo por parte principalmente da professora, a menina Vitória. Neste trabalho analisamos o conto de forma a destacar o espaço como exclusão e consequentemente como espaço de exílio, bem como exploramos o sentimento de deslocamento do personagem. Para tanto nos apoiamos em textos teóricos que tratam do tema como, Marc Augé (1994) e Edward Said (2003), Homi Bhabha (1998). Com a análise do conto encontramo-nos com personagens totalmente deslocados em um espaço que deveria ser de inclusão:   o espaço da escola.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN  1807-9717


Indexado em:

                                        Capes    Latindex     Pkp     Ibict     Sumarios
     
 
                                                     DOAJ      LivRe           Dialnet
   
                               EBSCO     Funadesp      
 
 
                                        Harvester