MEMÓRIA E IDENTIDADE EM LIMITE BRANCO, DE CAIO FERNANDO ABREU

Wêsley William Alves de Oliveira (USPI)

Resumo


O presente artigo visa entender como o protagonista da obra Limite Branco, de Caio Fernando Abreu, constrói sua identidade, a partir do campo social em que se inseri. Para tanto, será analisado a obra Limite Branco, de Caio Fernando Abreu, que sob aparatos teóricos de Bachelard (1993), Bosi (2003), Candau (2012), Hallbawchs (2006) e Ricoeur (2007) embasam a presente discussão. O romance demonstra traços memorialísticos a partir de lembranças traçadas por Maurício (protagonista) nos registros em forma de diário. Pela tessitura memorialística, o campo familiar é de grande evidencia. O personagem questiona sobre suas vivências na tentativa de entender sobre si mesmo para um melhor entendimento sobre seu “eu”. Durante tal processo, Maurício permanece indagando-se, contudo, o romance demonstra que tais suportes memorialísticos (o espaço da infância e o ambiente familiar) ajudaram-no numa melhor construção subjetiva a partir de lembranças que mantiveram Maurício em contato com seu “eu”. Constata-se que a identidade do personagem, ou seja, o que o tornou hoje enquanto sujeito social é formada por suas memórias e suas expectativas futuras.

PALAVRAS-CHAVE: memória; Identidade; Limite Branco


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN  1807-9717


Indexado em:

                                        Capes    Latindex     Pkp     Ibict     Sumarios
     
 
                                                     DOAJ      LivRe           Dialnet
   
                               EBSCO     Funadesp      
 
 
                                        Harvester